PRINCÍPIOS DOS PROJETOS



PRINCÍPIOS DOS PROJETOS DE TRABALHO COM AS CRIANÇAS.
Dewey
• O pensamento tem origem em situações-problemas;
• Baseia-se na experiência;
• Deve ter uma prova final.
Kilpatrick
• Incorporação de algumas ideias ou habilidades;
• Experimentar algo novo;
• Pôr em ordem alguma dificuldade intelectual;
• Obter uma nova informação.
PROJETOS
Envolve vasta gama de variáveis ou de percursos: imprevisíveis, imaginativos, criativos,
ativos, inteligentes. Sempre acompanhados de uma grande flexibilidade de
organização;
Os projetos permitem autoria individual e coletiva, momentos de autonomia
pessoal e de interdependência do grupo, de cooperação com autoridade experiente e
de liberdade, de interesse e esforço, isto é saber lidar com a complexidade do fato
educativo.
COMO SURGEM OS PROJETOS?
 De repertórios ofertado para as crianças: espaços interativos e de criação de
enredos, materiais desafiadores e diversificados, informações diversas;
 Da interpretação do professor de situações do cotidiano;
 Das diversas manifestações das crianças;
Ou seja
DE ESTAR JUNTO COM AS CRIANÇAS
UM BOM PROJETO, DEVE TER CLARA UMA BOA PERGUNTA
 Parte de uma situação problema, da realidade do grupo, isto é, emerge de uma
situação que envolva uma criança, um grupo, a professora e os pais/ou
comunidade.
 Mantém uma perspectiva de trabalho globalizado ou seja, transdisciplinar;
DO TEMA, ENCONTRAMOS UMA BOA PERGUNTA, OU, VÁRIAS!
 Como se constrói uma casa?
 Como funciona um carro?
 Como se escreve uma carta?
 Quais são as regras do futebol?
 Por que existem os Pan-Americanos?
 Onde fica Atlântida?
 Como a água chega na minha casa?
 Pra onde vai o sol quando chega a noite?
 O que cabe na minha cabeça?

PROJETO E PLANEJAMENTO
 Para projetar é preciso aprender a planejar. As crianças aos poucos vão
aprendendo a manejar com as diferentes variáveis que envolvem um
planejamento de aprendizagem como: onde podemos encontrar certas
informações, como podemos registrar, como podemos aplicar um
conhecimento novo, que os conhecimentos são provisórios e que as vias de
informação são muitas.
PONTOS REFERENCIAIS QUE ESTRUTURAM E APONTAM O FIO CONDUTOR, O
PLANEJAMENTO
 Pesquisar em diferentes fontes, buscar informações distintas para
problematizar junto com as crianças;
 Organizar as informações junto com as crianças, de modo que as mesmas
possam ter autonomia para interferir;
 O trabalho com projetos não é linear, portanto, é possível que durante o
projeto inicial, novos subprojetos sejam iniciados, com a finalidade de qualificar
o projeto maior;
 Registrar os percursos para poder utilizar como fonte de avaliação do próprio
professor, assim como, das crianças.

ETAPAS DE UM PROJETO
Emergência do Projeto: despertar o desejo de ação em resposta a interesses e
necessidades expressas e analisadas pelo grupo;
Escolha do Projeto: consenso, contrato, definição da situação-problema, meios,
produto final, plano de trabalho;
Realização do Projeto: realização dentro de um marco de viabilidade, escolha de
situações e atividades que respondam ou ampliem a situação-problema, reformulação
e negociação;
Avaliação do Projeto: a avaliação do processo, do produto, dos objetivos, do
desenvolvimento de capacidades e a aquisição de novos conhecimentos. (Le
Grain,1985)
RESPONDENDO PERGUNTAS...
 Se as perguntas de um projeto estão evidentes para as crianças, garante que as
mesmas possam participar.
 Se as perguntas são do professor sobre as crianças, a elas só cabe receber.
DEPOIS DA PERGUNTA, O DESENVOLVIMENTO DO TRABALHO
 A função das atividades propostas e realizadas com as crianças, devem ser
realizadas considerando a pergunta que norteia o desenvolvimento do projeto.
 No entanto, é importante ter claro que novas perguntas surgem, e muitas
vezes, responde-las poderá ampliar e enriquecer o desenvolvimento do
projeto.
AS ETAPAS DE UM PROJETO
Para começar um Projeto:
 Situação-problema:
 Nome do projeto: (baseado na situação-problema)
 Justificativa: (O que levou a escolha desta situação-problema)
A escrita, enquanto um exercício para o professor, poderá servir como um instrumento
de avaliação sobre os percursos percorridos, desta forma, ao registrar um projeto,
além do aspecto da documentação da experiência educativa, também pode servir
como uma ferramenta de formação.
Durante o Projeto
 Registrar de diferentes formas os percursos: fotos, amostragem das produções
das crianças, anotações de falas, anotações de observações realizadas, folders,
objetos...
 Atividades: as atividades planejadas e ou, que acontecerem, deve ter em
mente a pergunta principal do projeto.
 Novas perguntas = novas atividades = retorno da pergunta inicial. Trabalhar
com projeto não é um caminho reto, é ziguezaguear.
Ao final do Projeto
 Concluir através de um produto final, seja ele, uma ação ou um artefato.
 Avaliar junto as crianças os percursos percorridos.
 Esquematizar e registrar o projeto com a finalidade de documentar a vida
escolar, por isso, acrescentando bibliografias utilizadas, fotos, anotações e
amostragens.
 Compartilhar com os pais e a comunidade escolar os percursos e os resultados.

BIBLIOGRAFIA
ABRAMOVICZ, Anete & WAJSKOP, Gisela. Creches. Atividades para crianças de zero a
seis anos. São Paulo. Moderna.1995.
ARRIBAS, Teresa Lleixá &Cols., Educação Infantil: Desenvolvimento, currículo e
organização escolar. Porto Alegre: Artmed, 2004.
BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Por amor e por força: rotinas na educação infantil.
Porto Alegre: Artmed, 2006.
BONDIOLI, Anna e MANTOVANNI, Susana. Manual de Educação Infantil. Porto Alegre,
ARTMED, 1998
BRASIL. Ministério da Educação, Referencial Curricular Nacional para a Educação
Infantil. MEC/DPE/COEDI, 1999
BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros básicos de
infra-estrutura para instituições de educação infantil. Brasília: MEC/SEB, 2006. V. 1. P.
45.
BRASIL. Práticas Cotidianas na Educação Infantil – Bases para Reflexão sobre as
Orientações Curriculares. Projeto de Cooperação Técnica MEC / Universidade Federal
do Rio Grande do Sul para Construção de Orientações Curriculares para a Educação
Infantil. Brasília, MEC/Secretaria de Educação Básica/ UFRGS, 2009.
CARVALHO, M.C.; RUBIANO, Mara. Organização do espaço em instituições pré-escolar.
In MORAES OLIVEIRA, Z (org.) Educação infantil muitos olhares. São Paulo: Cortez,
1994
CRAYDI, Carmem M. & KAERCHER, Gládis. Educação Infantil prá que te quero. Porto
Alegre, STAS, 1998.
EDWARDS, Carolyn. GANDINI, Lella. FORMAN, George. As cem linguagens da criança: A
abordagem de Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed,
1999. P. 145-158.
FARIA, Ana Lúcia G. de. O espaço físico como um dos elementos fundamentais para
uma pedagogia da educação infantil. In: FARIA, Ana Lúcia G. de; PALHARES, Marina S.
(Orgs.). Educação Infantil pós-LDB: rumos e desafios. Campinas, SP: Autores Associados
-, São Carlos, SP: Editora da UFSCar, Florianópolis, SC: Editora da UFSC. P. 67-98, 1999.
FORTUNATI, Aldo. A Educação Infantil Como Projeto da Comunidade: crianças,
educadores e pais nos novos serviços para a infância e a família: a experiência de San
Miniato. Porto Alegre: Artmed, 2009.Página26
GANDINI, Lela; CAROLYN, Edwards. Bambini.Porto Alegre, ARTMED,2002
GOLDSCHMIED, Elionor; JACKSON, Sonia. Educação de 0 a 3 anos: o atendimento em
creche. Porto Alegre: Artmed, 2006.
HELM, Judy Harris. O Poder dos Projetos.Porto Alegre.ARTMED,2004
HERNANDEZ, Fernando. A Organização do Ensino em Projetos de Trabalho. Porto
Alegre,ARTMED,1998
HORN, Maria da Graça. Sabores, cores, sons, aromas: a organização dos espaços na
educação infantil. Porto Alegre, Artmed, 2004
MACHADO, Maria Lucia (org) Encontros e Desencontros na Educação Infantil. São
Paulo, Cortez,2003
MARTINS FILHO, Altino José. (Org.). Criança Pede Respeito: Temas em Educação
Infantil. Porto Alegre: Mediação, 2005. P. 63-72.
OLIVEIRA, Zilma. Educação Infantil. S. Paulo Cortez ,2005
OSTETO, Luciane. Encontros e Encantamentos na Educação Infantil. Campinas, Papirus,
2000
RABITTI, Giordana. À Procura da Dimensão Perdida: Uma Escola de Infância de Reggio
Emilia. POA ARTMED 2002
REDIN; Fernanda, MULLER; REDIN, Marita M.(orgs.). Infâncias: cidades e escolas
amigas das crianças. Porto Alegre: Editora Mediação, 2007.
Revista Pátio Infantil. Desafios do Cotidiano Pedagógico Ano II n. 4 Abril 2004
Revista Pátio Infantil. O Currículo na Escola Infantil: a organização do ensino em
Projetos de Trabalho. Educação, Porto Alegre,Ano XXII n. 38 Junho 1999 p. 51-62
Revista Pátio Infantil. Que Currículo para Educação Infantil. Ano II n. 5 Agosto 2004
Revista Pátio Infantil. Transgressão e Mudança na Educação. Porto
Alegre,ARTMED,1998
ROSSETTI FERREIRA, Maria Clotilde (org) Fazeres na Educação Infantil . São Paulo,
Cortez, 1998
VASCONCELOS, Tereza. Ao Redor da Mesa Grande. Lisboa, Porto Editora, 1997
ZABALZA, Miguel Angel. Qualidade em Educação Infantil. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Postar um comentário