terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Turma da joaninha em " Pronto para deixar as fraldas"

Desenvolvimento
Pronto para deixar a fralda?
2008/04/01Ana Esteves
Deixar de usar fralda é um marco fundamental no desenvolvimento. E, como todos os outros, deve ser uma conquista da criança, no momento em que estiver pronta.

Terry Brazelton, o mais conceituado pediatra da atualidade, alerta os pais para a importância de esperar que a criança esteja preparada para deixar de usar fralda. O seu método centra-se na criança, ou seja, ela deve ser a protagonista neste processo. Na sua opinião, tal nunca deve acontecer antes dos dois anos de idade. Existirão crianças que conseguem deixar as fraldas com sucesso mais cedo, mas ao tentá-lo com a generalidade das crianças estamos a sujeitar muitas delas a um mal-estar psicológico não negligenciável: «Quando as crianças são pressionadas antes de estarem preparadas para serem bem-sucedidas, os insucessos resultam em problemas sérios como a retenção das fezes, a incontinência fecal ou a enurese nocturna» (A Criança e a Higiene, de T. Berry Brazelton e Joshua D. Sparrow, Presença). O importante será então, na opinião de Brazelton, ter a certeza que a criança está preparada e permitir que esta seja uma conquista sua e não uma imposição dos pais. Para tal, é preciso esperar que surjam os primeiros sinais que revelam a maturidade necessária. Os mais importantes são: já não querer estar sempre de pé e a andar de um lado para o outro; a linguagem estar bastante desenvolvida; saber dizer Não; saber pôr as coisas no lugar certo; começar a imitar os pais e irmãos mais velhos; começar a manter-se seca durante uma ou duas horas; fazer cocô a horas certas; estar a tomar consciência do seu corpo. Estes sete sinais eleitos por Brazelton como essenciais revelam que o controle dos esfíncteres é uma capacidade complexa e que está relacionada com uma série de outras aquisições. Deixar as fraldas depende de aspectos fisiológicos, mas também cognitivos, psicológicos e emocionais. Assim, deverá avaliar, separadamente, alguns parâmetros do desenvolvimento do seu filho, para perceber se ele estará pronto para mais este grande passo. Aspectos fisiológicos e de motricidade Os músculos dos esfíncteres (genital e anal) têm de ter atingido maturidade suficiente de modo a permitirem que a criança «aguente» algum tempo entre sentir que têm vontade de ir à casa de banho e estar a postos para fazer xixi ou cocô. Essa maturidade muscular acontece algures entre os 12 e os 24 meses, segundo a Sociedade Americana de Pediatria. Por volta dos 12 meses, a criança começa a reconhecer a sensação que precede a eliminação dos xixis e cocôs. É possível observar como pára antes de fazer, como se coloca por vezes em certas posições em que se sente mais confortável. Mais tarde, os esfíncteres atingem a maturidade que permite à criança reter por algum tempo xixi e cocô. Este processo tem uma sequência: primeiro, a criança deixa de fazer cocô durante a noite, depois consegue controlar xixi e cocô durante o dia e, por fim, consegue deixar de fazer xixi também durante a noite. O facto de a criança manter a fralda seca durante períodos cada vez maiores - algumas horas - e até de acordar por vezes da sesta sem ter feito xixi durante o sono são sinais de que, fisiologicamente, estará pronta para iniciar o processo de deixar as fraldas. Mais tarde, quando começar a acordar de manhã com a fralda seca, é o sinal de que já consegue também deixar de fazer xixi durante a noite. Após começar a andar, por volta dos 12 meses, a criança não pára. Quer estar sempre em pé, como diz Brazelton. Mas quer também correr e testar a sua nova habilidade. Só depois desta fase estará disponível para outras conquistas, ao nível da motricidade fina, conquistas essas que são importantes na hora de deixar as fraldas. A coordenação motora que lhe permite despir-se, tirar a sua fralda, baixar e levantar as cuecas é outro sinal de que está preparada.
Sinais de que o seu filho está pronto para deixar as fraldas:
· demonstra estar consciente das suas necessidades, antes de fazer: agachando-se, escondendo-se
· já não faz cocô durante a noite
· mantém-se com a fralda seca durante longos períodos, talvez até durante a sesta
· faz uma grande quantidade de xixi (menos vezes) e não pouquinho de cada vez (muitas vezes)
· adota hábitos regulares para fazer cocô
· consegue despir-se sozinho
· domina o vocabulário envolvido no processo de deixar as fraldas
· compreende instruções complexas
· gosta de repetir o que ouve
· demonstra desejo de agradar aos pais
· revela auto-domínio
· quer fazer tudo o que fazem as crianças mais velhas, para ser crescido e se sentir integrado texto
Desenvolvimento cognitivo e linguagem A descoberta do corpo é fundamental para conseguir dispensar as fraldas. A criança começa a mostrar curiosidade sobre os seus órgãos genitais e outras partes do corpo, percebe as suas funções e nomeia-os. Estar pronta para o grande passo significa que tem de conseguir associar uma sensação que o corpo lhe envia a uma resposta apropriada e complexa, pois é-lhe exigido várias coisas ao mesmo tempo: contrair os esfíncteres de forma a reter algum tempo o xixi ou cocô, avisar um adulto que precisa ir ao penico, esperar que a dispam e sentem no penico ou sanitário só então descontrair os músculos. É preciso concentração. O seu filho tem também de perceber tudo o que lhe diz e saber comunicar quando tem vontade. Só assim poderá entender todos os passos do processo. Apreender o vocabulário envolvido é um passo prévio que não deverá descurar. Aprender a controlar dos esfíncteres e aceitar que terá de ir sempre, várias vezes por dia, ao banheiro ou ao penico exige, portanto, maturidade a nível cognitivo. É preciso que a criança tenha já capacidade de abstração e pensamento simbólico, capacidade de resolver problemas e de memorizar.
Aspectos emocionais e sociais, auto-domínio e desejo de agradar aos pais são ingredientes não menos importantes em todo este processo. O desejo de fazer sozinho é um bom indicador de maturidade. Revela que a criança vai sentir-se orgulhosa por conseguir ultrapassar com sucesso mais esta importante etapa.
Mas esta é também a «idade do Não», ou seja, a criança está a afirmar-se enquanto senhora da sua vontade. Isso pode dificultar o processo, pois se percebe que os pais fazem muita questão, pode marcar a sua posição recusando-se a colaborar. Se o seu filho está no auge desta fase, o melhor é esperar que passe. Largar as fraldas não pode ser mais um ponto de discórdia, mas sim uma conquista positiva. A consciência social é também um ponto prévio importante. Ou seja, a vontade de fazer como os outros e de ser crescido. É por isso que crianças com irmãos mais velhos têm tendência para deixar as fraldas mais cedo. Tal como é mais fácil uma criança cooperar quando está na creche e distrair-se quando está em casa. O temperamento da criança também interfere nesta questão. Se for muito sensível ao toque, pode demorar mais algum tempo até estar disposta a sentar-se, sem fralda, numa superfície fria. Uma criança demasiado activa pode ter dificuldade em estar sentada quieta no vaso. Neste caso, pode ser útil a brincadeira de pôr primeiro o boneco preferido a fazer, baixar e levantar as cuecas dele.
Postar um comentário