sábado, 30 de março de 2013

Proposições e os Bebês de 0 a 3 anos


BEBÊS DE 0 ATÉ 3 ANOS
 Tratando do comportamento dos bebês de zero até três anos de idade, as educadoras e professoras apontaram que eles vão gradativamente conquistando sua autonomia e dependendo menos dos adultos. Também têm, nessa idade, um tempo de descobrimento de si e do mundo físico e social, quando vão se desenvolvendo e adquirindo o controle da marcha,dos esfíncteres e o progressivo controle do corpo, de uma forma geral. Os bebês, desde muito pequenos, são observadores, espontâneos, autênticos, impulsivos, investigativos, comunicativos, competentes e, às vezes, podem até controlar e manejar o seu entorno. Utilizam o corpo para se comunicar e expressar, o choro é para eles uma forma de linguagem.

Na busca de explorar e conhecer o mundo, eles mordem, batem e apertam os objetos e muitas vezes os seus companheiros. Começam a definir suas preferências pessoais, desde escolher seu “melhor amigo” na sala, como também escolher os brinquedos, alimentos etc. Aos poucos, vão transitando dos estágios da anomia moral para a heteronomia. A “autonomia” é um objetivo de longo prazo na educação, mas nessa época pode ser firmemente propiciada a independência das crianças.

As professoras e educadoras afirmam que os bebês precisam de cuidados, respeito, segurança, espaço físico adequado, tempo para si, estímulos a todos os sentidos, oportunidades para diferentes experimentações, limites, possibilidades para construir uma autoimagem positiva, ser compreendidos. 

Necessitam também de uma rotina estruturada, prevendo tempo para o banho e o sono. Gostam e precisam de cuidado, segurança, socialização, afeto e respeito, brincar, descobrir e explorar o ambiente, serem questionadas, repetir atividades e situações, ouvir e contar histórias, explorar a textura, os sons, os movimentos ao brincar com água, terra, pedrinhas, gravetos, entre outros. Importante lembrar ainda que são necessárias adequações para que os bebês com deficiência tenham acesso àquilo de que precisam e gostam.
Com os bebês surdos, por exemplo, toda a exploração da linguagem oral deve ser feita através da Língua Brasileira de Sinais - Libras. Também os bebês com cegueira precisam desenvolver desde cedo o tato, para reconhecer objetos, texturas, temperatura, assim como a audição e o olfato, pois será através da utilização dos demais sentidos que os mesmos serão estimulados e se tornarão mais eficientes. Assim, como nos exemplos citados, as demais deficiências devem ter suas especificidades consideradas. Proposições Curriculares para a Educação Infantil da PBH.
Postar um comentário