domingo, 23 de março de 2014

A criança como foco da nossa prática pedagógica, como ?!!



O alcance de uma prática pedagógica que coloque a criança na sua centralidade
exige um contínuo processo de reflexão sobre todos os elementos componentes
do currículo: as concepções dos profissionais envolvidos, a seleção e organização
das experiências propostas, a definição dos tempos, espaços e materiais, o
envolvimento com as famílias e tantos outros.

A reflexão sobre a prática pedagógica constitui-se em processo de formação
e aprendizagem dos professores e educadores sobre eles mesmos, sobre as
crianças, sobre os processos de desenvolvimento e aprendizagem de cada
uma delas. 

Ao retomar seu planejamento, observando as ações que foram bem
sucedidas e aquelas que não o foram, cada profissional tem a oportunidade de
analisar os fatores que influenciaram as ações realizadas e sua interferência.
Poderá, também, analisar a maneira como ele mesmo conduziu as experiências
buscando identificar possíveis e necessárias mudanças.


Refletir sobre a prática pedagógica possibilita resgatar experiências passadas,
ressignificando-as, e planejar novas experiências.
Para que o processo de reflexão seja produtivo é sempre importante que existam
registros, de diferentes e variadas naturezas, sobre as atividades realizadas. Os
registros são elementos de apoio à memória, de observação de fatores que não
puderam ser notados no momento da ação e de materialização do processo de
aprendizagem das crianças

Muitas vezes, uma filmagem, pequenas anotações
feitas pelo adulto, fotos ou uma gravação de áudio possibilitam que os professores
e educadores percebam falas das crianças, ações delas ou outros elementos
que não foram observados durante a realização da atividade. São fontes de
riquíssimas informações quando retomadas e analisadas.



Alguns registros podem ser incorporados à documentação pedagógica das
crianças e da turma, mas nem todos precisam ser utilizados. 
A seleção de materiais para a composição da documentação pedagógica depende das
intencionalidades dos adultos e da qualidade informativa do material que foi
produzido. Nem todo registro torna-se documentação.

Para definir quais registros são mais adequados para refletir o processo de
desenvolvimento e aprendizagem das crianças, os profissionais precisam ter
clareza do que pretendem que elas desenvolvam, como poderão realizá-lo,
mantendo o olhar atento para investigar as diversas estratégias que as crianças
criarão para as aprendizagens que se espera que elas construam. 
Precisam também, analisar os registros obtidos, verificando se eles, efetivamente, estão
refletindo os processos e os avanços das crianças. Muitas vezes, o registro
mais significativo não é um produto material como um desenho, mas uma fala
ou uma atitude de uma criança.
Proposições curriculares para a Educação Infantil - Volume I, páginas 111-112.
Postar um comentário